Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Desabafos Agridoces

"Enfim, bonito e estranho, desconfio que bonito porque estranho"

Desabafos Agridoces

"Enfim, bonito e estranho, desconfio que bonito porque estranho"

A autora do blog descobre o fado

Estava a passar os olhos pelos rascunhos e pela lista de ideias quando dei com um rascunho contendo letras de fados - parece completamente aleatório visto que não é algo que costume ouvir ou sobre o qual tenha muitos conhecimentos. Mas como em certos trajectos de automóvel tenho que levar com a Rádio Amália, para me entreter comecei a prestar atenção às letras e a tomar nota de alguns trechos que achei curiosos. Não são muitos, pouco tempo depois já tinha esquecido disto.

Temos por exemplo: "Tenho a janela do peito aberta para o passado" - achei tão visual, ter no peito algo com fecho e dobradiças que aberto expõem os nossos preciosos interiores ao mundo. Mas claro que o objectivo nunca poderia ser abrir a janela para deixar as dores saírem ou pelo menos para deixar entrar algum ar fresco - Carminha a lavar a janela, "alguidarzinho ajoujado de espuma cremosa, um alguidar maior de pura água macia. Novelo de saias entre pernas (...) premeditando a transparência lisíssima que consegue iluminar as casas em escombros, ali mesmo do outro lado da rua"- é uma cena de O Dia dos Prodígios de que me lembrei agora - pelo contrário, abre-se a janela para olhar para esse eldorado que é o tempo em que éramos felizes e sem preocupações, tempo esse que já não volta mais e agora aqui estamos neste parapeito a prantear saudades e desilusões...

 

7.jpg

 

Não sabia o que usar para ilustrar este post então fui buscar esta foto aos meus arquivos. Uma pessoa podia considerar acordar todos os dias da sua existência com esta vista, mas para isso teríamos de renunciar ao gramofone e ao elevador da cozinha e acabar a beber vinho por copos de vidro espesso - é difícil abdicar dos progressos deste mundo.

O pessoal da Eurovisão acha que só enviamos canções para desfalecer - inocentes não sabem nada, aqui está mais um pedaço de lírica: "não ando no escuro tenho a luz da amargura" [a iluminar o meu passado]", mais uma vez uma imagem que geralmente tem uma conotação positiva aparece distorcida. Abrir uma janela devia ser algo agradável mas torna-se um exercício doloroso de auto comiseração. Ter algo para iluminar o caminho é bom, mas afinal o que ilumina é o sofrimento. É quase um paradoxo. Pode-se dizer que o sujeito do poema não anda realmente no escuro ou não será que está a fundar-se ainda mais na escuridão se aquilo que o motiva em frente é um sentimento tóxico por resolver? 

Foda-se, alguém está mesmo a sentir falta de aulas de português. Nerd. Quando abri o rascunho quase saltei por causa deste verso - "em becos encontro almas". Assim de repente não sei o que será pior se encontrar num beco almas penadas ou o zé naifas. Devo ter escrito mal ou tive uma alucinação sobre rodas porque não encontro fado onde este verso apareça. Fica aqui de qualquer modo como ominosa referência.

Mas vejo agora que não faltam referências a becos nestes poemas, dos becos literais aos metafóricos, representando variados estados de espírito e viragens de luz como num Rembrandt - há os becos do desprezo e os becos do peito, os escuros e sombrios e becos em cujas janelas se colocam colchas amarelas que brilham sobre a cidade. Pensem nisto da próxima vez que virem um beco e penitenciem-se pela vossa indiferença. 

O fado tem coisas interessantes para nos ensinar sobre o amor: "quando alguém gosta de alguém é de nós que não gostamos" - penso que isto quer dizer que vamos sofrer. Mas também há belas metáforas por exemplo envolvendo condimentos: "os olhos do meu amor são grãozinhos de pimenta". Talvez seja literal e queira apenas dizer que os olhos da pessoas são de cor escura...Ou talvez queira dizer que são ladinos dado as picadelas que provoca a pimenta. Ou quer dizer que vamos sofrer. Como quando metade do conteúdo do pimenteiro cai no cozinhado. Uma tragédia recente. Eu teria cuidado porque a música portuguesa já nos alertou para o significado das cores dos globos oculares e olhos pretos são queixume. Os meus são castanhos por isso podem confiar naquilo que digo. "Ando atrás de ti como o sol anda da lua" - outras vezes é preciso sair do espaço confinado da cozinha e alargar horizontes. Felizmente o amor não carece de exactidão científica. 

O meu pedaço de lírica favorito dos que vieram até mim pelas ondas do éter é este - "Fingiste que a culpa era toda minha; Disseste que eu tinha a vida estragada; E eu gritei-te da escada que fosses morrer sozinha". A coisa toda é meio engraçada meio perturbante e eu tenho um fraco por letras que contam uma história...Fez-me lembrar aquela canção antiga: um tipo precisa de dinheiro para comprar um anel para pedir a namorada Laura em casamento, decide entrar numa corrida de carros, tem um acidente e falece. Amor, esperança e dor em económicos três minutos. Um aparte: para encontrar esta música comecei a pesquisar "song about guy w..." - o primeiro resultado foi "song about guy who killed his mom" e o terceiro "song about guy who killed his girlfriend". Ainda falam mal das músicas da Taylor.

E uma menção honrosa vai para um fado que encontrei não através da rádio mas quando estava a pesquisar para este post e que me deixou galvanizada com o seu dramatismo: um homem segue a mulher amada até à igreja pensando que ela vai lá falar com Deus, vê-a entrar por uma porta e quando encosta o ouvido eis que - "Palavras de carinho e de prazer, de ti da tua voz se desprendeu, tu tinhas ido ali para vender, o corpo que eu pensava que era meu". E pronto, lá vai o pobre coitado a chorar de rastos. Já não bastava o outro na igreja a ver a amada a casar...Não há limites para a inconsistência e a perfídia das mulheres. Assim envergonhada termino este post.

Um voltar atrás literário

M4.jpg

(Lilith)

 

Esta seria a altura, como leitora dedicada, que eu faria uma apreciação do ano literário - mas não vou fazer. Já tinha decidido que não ia fazer uma lista com os melhores livros, isso dá muito trabalho e não tenho paciência, parecendo que não este blog já passou uma década de existência. Tem de se dar um desconto. Tinha pensado num texto mais simples e curto só que o meu diário de leituras [que agora também inclui filmes] está muito atrasado, está sempre mas desta vez jaz abandonado há meses. Uma pessoa normal seguiria em frente, mas bole-me com os nervos não fechar o ano literário como deve ser além disso estes títulos sobre os quais ainda não escrevi estão anotados em pedaços de papel soltos que vão acabar por se perder. Lá para Agosto teremos fumo branco.

Nem tanto, mas vai demorar. A verdade é que é uma coisa que eu gosto de fazer - já escrevi em tempos um post sobre as vantagens de ter um diário de leituras em papel - este caderno que estou a usar já é o meu décimo terceiro. Enquanto a maioria dos leitores se prepara para uma nova maratona, com metas do Goodreads, planos e listas, eu volto atrás aos livros que já li...Também não tenho nenhuma revisão a fazer do ano em geral nem aqueles textos clichés que se fazem no início do novo ano, isso esteve sempre para lá das minhas capacidades. Para que este post tenha algum interesse aqui ficam algumas das minhas ilustrações preferidas do livro O Prazer da María Hesse que ficaram de fora no post anterior por falta de espaço. 

 

M2.jpg

 

M1.jpg

 

M3.jpg

 

M0.jpg

 

Traição

Uma pessoa conhece o verdadeiro sabor da traição quando vê um bolo rainha em cima da bancada e pensa que vai finalmente poder comer uma fatia sem ter de se preocupar com os frutos cristalizados, só para depois perceber que o bolo está cheio de passas e que estas são impossíveis de retirar...E o golpe final vem quando alguém diz que passas também são frutos secos, quando é evidente que não são. São peçonhas. 

Quem Escreve Aqui

Feminista * plus size * comenta uma variedade de assuntos e acha que tem gracinha * interesse particular em livros, História, doces e recentemente em filmes * talento: saber muitas músicas da Taylor Swift de cor * alergia ao pó e a fascistas * Blogger há mais de uma década * às vezes usa vernáculo * toda a gente é bem-vinda, menos se vierem aqui promover ódio e insultar, esses comentários serão eliminados * obrigada pela visita!

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Calendário

Maio 2024

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031

Sumo que já se bebeu

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2017
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2016
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2015
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2014
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2013
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2012
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2011
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2010
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
*

A Ler...

*
*

Algo especial a dizer?

*