Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Desabafos Agridoces

"Enfim, bonito e estranho, desconfio que bonito porque estranho"

Desabafos Agridoces

"Enfim, bonito e estranho, desconfio que bonito porque estranho"

Duvidosa Contabilidade

2V.JPG

1S.JPG

 

É certo que devemos variar e não escrever muitas vezes seguidas sobre o mesmo assunto, mas num dos últimos posts um comentário deixou-me a pensar: ao decidir, durante um período de tempo, ler só autoras ou decidir comprar o livro B em vez do C, porque o B é escrito por uma mulher - estou a perder algo? É uma questão recorrente. Cheguei a três conclusões simples. A primeira: na verdade, como leitores estamos sempre a perder pois a grande maioria de nós não tem uma conta milionária e mesmo que pudéssemos comprar todos os livros que queremos iria faltar-nos o tempo. Fazemos escolhas. E não sabemos o que estamos a perder quando escolhemos um livro em vez de outro, nem pensamos demasiado senão ficamos em stress. A segunda: nunca em nenhum blog encontrei alguma vez alguém a insinuar que a pessoa estava a perder algo por ler quase só autores. Nunca recebi tais comentários antes, nem quando falei aqui da minha lista de autores preferidos e eram uns sete homens de seguida. Isto é normal e até é aplaudido, mas se forem mulheres é reprovável? A terceira: continuo a não achar que esteja a perder alguma coisa e agora no desafio para este ano sinto o mesmo. Por exemplo, no meio de bancas com tantas opções (inclusive escritoras com nomes mais sonantes para mim) teria passado à frente este livrinho de poesia e ainda bem que não o fiz. 

Que o Dosto não nos bloqueie a visão

Voltei ao sistema de ler um livro de cada vez - escolho três livros e leio cada um à vez, só depois escolho mais três. Até estabeleci metas de tempo para começar e acabar, mas isso já foi ao ar. E escrevo sobre os livros logo que possível, em vez de deixar acumular. Ando tão certinha. Também dei por mim a pensar que mesmo passado todo este tempo a ler autoras, ainda continuo a ter provas de como isso é importante: outro dia vi uma lista com sugestões de livros curtos e não tinha nenhuma escritora. Antes provavelmente não teria notado, agora passei os olhos pelas sugestões, revirei-os e saí logo. Não me façam perder tempo com listas preguiçosas. Quando pesquiso, por uma questão de economia de tempo tenho preferência por listas só de autoras embora também clique em mistas e vez por outra acontecem este enganos - quer conhecer a literatura deste país? Veja estas sugestões! E quando vou a ver não há mulheres...Grande engano adentrar-se a literatura de um país ignorando metade da sua população. Há autores que parecem ter um efeito eucalipto (llosa, García Márquez, Borges...) tornando a visibilidade das escritoras ainda mais difícil e ainda pior quando são vários autores com este efeito (como acontece com a literatura russa). Vendo bem, pensar na literatura de um sítio e serem nomes de escritoras a primeira coisa que ocorre - é um acto de subversão.

Viajar mais com livros

tumblr_30a04a0c95c2c3507a67b9b2bc5c1bc0_e54dcbe5_500.jpg

(Trips in Mind, Elina Luukanen. 2010)

 

Depois de andar a pesquisar por livros de autoras traduzidos, como contado no post anterior, ficou-me a martelar na cabeça a ideia de um ano à volta do mundo em leituras no feminino. Penso que este ano já estive em todos os continentes habitáveis, de forma muito incipiente é verdade...Algo que tem ajudado é ler short-stories. Gosto muito de contos e são uma boa forma de conhecer uma variedade de novas escritoras, além de se encontrarem com facilidade na net. Mas quando penso na imensidão do que falta conhecer sinto-me a afundar um bocadinho...

 

A ideia geral é que não é possível encontrar autoras em certos países, aliás a ideia é que simplesmente não existem muitas autoras em lado nenhum. E previsivelmente, quanto mais pesquiso mais percebo que nada disto corresponde à verdade. Talvez não coloquemos o Ruanda ou o Iraque no topo da produção literária feminina, mas ela existe. Conseguir de facto chegar à leitura desses livros é que pode ser complicado....Nem tudo se encontra com facilidade e o mercado pouco ajuda. Quando estava a ler Mercè Rodoreda descobri que há dois livros dela editados cá...Nem aparecem na Wook. Certo.

 

Outra coisa gira que descobri é que se pesquisar por Alberto Moravia na wook são me apresentados dezenas de resultados, mas se pesquisar por Elsa Morante, com quem foi casado, aparecem dois resultados. La Storia, o seu trabalho mais conhecido foi publicado...O ano passado. Está certo também. E notem que estamos a falar de autoras europeias. A verdade é que sem direcção as nossas leituras vão sempre parar às mesmas costas, aos mesmo sítios...Algo que tenho de melhorar no futuro. Agora estou entusiasmada com alguns títulos que desconhecia (outros têm sido desleixadamente deixados para trás) e estou a ler Things We Lost in the Fire, contos de Mariana Enríquez.

Sobre partos e o prazer de ler

tumblr_pvsayoQJIa1qa4bkpo1_r3_500 (2).png

(Tirado daqui)

 

Tal como contado no post anterior, terminei o que andava a ler e fui então escolher novas leituras. Só que quando dei por mim já era tarde e vi que não ia ter tempo de começar nenhum dos escolhidos. A minha mente deu logo um salto - saltou o que restava desse dia e as actividades do seguinte e aterrou no momento em que eu ia poder finalmente começar um deles. Imagino que muita gente não colocaria ler em primeiro lugar na lista de coisas que deseja fazer ao chegar a casa depois de mais um dia. Mas eu acho muito reconfortante saber que tenho um livro à minha espera e que vou poder ler nem que sejam apenas algumas páginas, depois de tudo o que era preciso estar feito. Foi algo que sempre me ajudou em dias mais cheios\complicados - é como uma recompensa que dou a mim própria. Não sei como é que se pode sobreviver nunca saindo da própria vida...

 

"I take out three books and, days later, I’m back, taking out three more. Books stack up in our tiny apartment, by the bed, in the bathroom, in the galley kitchen. (...)  I read as I walk to work, I read on the underground trains, I read between my students’ slots, I read in the bath (...) And, one night, in the monsoon season, when the rain is a constant, lulling hum outside the windows (...)  I get the urge to put down some words. I get up, find a pencil, open an exercise book at the table and, as Anton sleeps, I start to write"

 

Já vou a meio do I Am, I Am, I Am da Maggie O'farrell - de onde é tirada a citação acima. Lembro-me de ter lido um livro dela há anos e de não ter achado nada de especial e de repente toda a gente (book nerds): leiam este livro, é muito bom! A propósito de um capítulo em particular dei por mim a pensar: se alguém me tivesse dito não há muito tempo, que agora estaria ler sobre partos eu não teria acreditado. Quando comecei a ler mais escritoras percebi logo que não valia a pena levar a ideia para a frente se não estivesse disposta a ler sobre experiências femininas: períodos, gravidez, partos, vaginas em geral, relações opressivas. Coisas que comecei a encontrar mais vezes nas minhas leituras.

 

Por acaso umas das primeiras leituras que fiz, inserida neste projecto, era centrada num grupo de grávidas num hospital. Óptimo livro, já falei aqui dele. Fiquei tão irritada quando vi que havia páginas em falta! Claro que as mulheres escrevem sobre outras coisas. Mas não é novidade que ganhei um apreço especial a tudo o que o patriarcado acha uma ninharia, indigna de ser "literatura". Homens a matarem-se uns aos outros e a foderem mulheres, ou a viajarem para outras terras quaisquer onde haverá mais guerras e mais mulheres para foder, quer queiram quer não. Está criado um "mito fundador", dêem-me esses louros. Fácil, porém tóxico. 

 

Quando leio experiências de parto, quer tenha corrido bem ou não, acho sempre terrível. Ao contrário de muita gente que pensa cada vez mais no assunto à medida que cresce, eu vou cimentando a minha vontade de nunca passar por isso. Ao mesmo tempo penso quão fortes são as mulheres, por estas e outras razões. Já tinha desconfiado, mas estou sempre a ser surpreendida. 

Quem Escreve Aqui

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Avisos

As opiniões sobre livros e afins podem conter spoilers. Comentários insultuosos serão apagados. Este blog não adopta o novo acordo ortográfico.

Calendário

Julho 2020

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031

Sumo que já se bebeu

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

A Ler...

Algo especial a dizer?