Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Desabafos Agridoces

"Enfim, bonito e estranho, desconfio que bonito porque estranho"

Desabafos Agridoces

"Enfim, bonito e estranho, desconfio que bonito porque estranho"

Mulheres na Guerra

Recentemente em conversa nos comentários aqui no blog surgiu o tema do papel das mulheres na guerra - pouco conhecido, como acontece em muitas outras áreas. Manuais de História e afins passam a imagem das senhoras a acenar com lenços e depois a voltarem para os seus novelos, fomentando a ideia que elas eram umas incapazes especialmente em "assuntos de homens". O ano passado escrevi um post sobre isto e lembro-me de ter ficado sem espaço para tantas personagens femininas que encontrei. Elas eram aviadoras, condutoras de tanques, espiãs, mecânicas...Assim, é com prazer que este estaminé apresenta mais um episódio da rubrica que também se podia chamar: histórias sobre as quais Hollywood fará cerca de zero filmes. 

 

 

Filha de mãe americana e pai indiano, descendente de uma dinastia imperial, Noor Inayat Khan era uma princesa de coragem invulgar. Em 1940 entrou para a Women's Auxiliary Air Force onde recebeu treinamento como operadora de rádio e em 1943 tornou-se a primeira mulher operadora a ser enviada para a França ocupada. O trabalho era tão arriscado que em média um espião só conseguia trabalhar seis semanas antes de ser descoberto. Mas quando o grupo de Noor foi descoberto ela recusou-se a fugir, tornando-se o único operador de rádio em Paris - tinha que estar em movimento constante para não ser apanhada. Isso aconteceu duas vezes: quando se recusou a assinar um papel renunciando a novas tentativas de fuga enviaram-na para Dachau. Noor foi morta a tiro lá em Setembro de 1944.

 

 

Simone Segouin era membro de um grupo da resistência durante a ocupação. Era mensageira (passava secretamente mensagens de um grupo para outros), participava nos combates de rua e em missões que incluíam explodir pontes, descarrilar comboios e capturar soldados alemães: em Agosto de 1944 (e com 19 anos) ajudou capturar 25 na sua cidade natal Thivars, a cerca de 80 km de Paris em cuja libertação também se envolveu. A sua coragem valeu-lhe a Cruz de Guerra, uma condecoração militar. O ano passado foi dado o seu nome a uma rua  e ela esteve presente na cerimónia.

 

 

 Rose Valland era funcionária do Museu Jeu Du Paume - uma galeria nas Tulherias que está anexada ao Louvre - quando em 1940 o Reich decidiu usar o espaço para guardar obras recolhidas em outros museus ou retiradas a famílias judias e que depois eram enviadas para a Alemanha. Rose foi o único funcionário francês que não foi despedido, pois além de trabalhadora era discreta. Tão discreta que eles nunca perceberam que Rose era fluente em alemão e que entendia tudo o que era dito. Num diário ela ia secretamente registando o nome de cada peça e o sítio para onde seria enviada. Mais: ela entregava esses registos à resistência que tentava impedir o embarque. Ao longo de 4 anos ela catalogou mais de 20 mil obras: graças a isso quase todas foram recuperadas no fim da guerra. 

 

 

Roza Shanina era sniper do exército russo, conhecida como O Terror invisível pela sua precisão e capacidade de camuflagem. Quando estava na escola de snipers o seu bom desempenho fez com que lhe oferecessem o lugar de instrutora, mas ela preferiu ir para a frente de combate. Lá comandava um pelotão de mulheres atiradoras. Um dia chegou uma ordem: todas as mulheres se deviam retirar. Isso não estava nos planos de Roza - quando lhe recusaram o pedido de ir para a frente, ela foi na mesma. Esteve na ofensiva de Vitebsk–Orsha na Bielorrússia no Verão de 1944 e na batalha de Vílnius, na Lituânia, no mesmo ano - recebeu três condecorações incluindo uma medalha de coragem. Morreu enquanto lutava na Prússia oriental a 28 de Janeiro de 1945.

 

Dt58Sug8wFgdzz8qJlaZ

 

Nancy Wake, nascida em 1912 na Nova Zelândia, foi uma das heroínas de guerra mais condecoradas. Foi enfermeira em Sidney, jornalista em Paris e em 1940 juntou-se à resistência: era mensageira e ajudava aliados e judeus a escapar. Era tão esquiva que a Gestapo a apelidou de rato branco e oferecia 5 milhões de francos pela sua captura. Em Abril de 1944 aterrou em Auvergne (no centro de França) com a missão de organizar os grupos da resistência ali. Conseguiu recrutar quase 7.500 membros que atacavam instalações alemãs usando uma táctica de guerrilha. Além de manter o pessoal coordenado e motivado ela tinha de localizar e gerir o armamento que era enviado pelo ar e garantir que  as ligações via rádio com a Inglaterra se processavam. Tudo isto pelo meio do mato, com escaramuças constantes e quase sem dormir. Uma vez matou um tipo só com as próprias mãos. 

Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Quem Escreve Aqui

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Avisos

As opiniões sobre livros e afins podem conter spoilers. Comentários insultuosos serão apagados. Este blog não adopta o novo acordo ortográfico.

Calendário

Fevereiro 2016

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
2829

Sumo que já se bebeu

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

A Ler...

Algo especial a dizer?

subscrever feeds