Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Desabafos Agridoces

"Enfim, bonito e estranho, desconfio que bonito porque estranho"

Desabafos Agridoces

"Enfim, bonito e estranho, desconfio que bonito porque estranho"

Mais reflexões sobre o mal

 

Uma vez cortei um peixinho de aquário aos pedaços. Estava morto, obviamente. Não tinha lógica tirar o peixe da água e tentar acertar-lhe com uma faca enquanto ele estrebuchava na bancada. Tirei-lhe os olhos e depois cortei-o em partes...Ás tantas comecei a ficar frustrada e o desgraçado acabou não só de órbitas vazias como desfeito e havia escamas por todo o lado. Não é muito diferente do que se faz com os peixes comestíveis, mas mesmo assim quando contemplei o que tinha feito arrependi-me. Ele não me fez nada para eu profanar com tal violência o seu corpo escamoso. Volta e meia lembro-me deste episódio. O meu cérebro é uma espécie de livro de actas: estão lá registados com pormenor todos os meus erros, inclusive esta breve e inconsequente encarnação da minha pessoa em Dexter dos peixinhos. Ás vezes custa-me mesmo adormecer...O que é estúpido, porque enfim não á forma de mudar o que foi feito. O pior é ficar a pensar no que não fiz do género "se tivesse falado naquele momento...". É uma tortura mental. Há algo de profundamente injusto no facto de as pessoas digamos mediamente boas, erros todos cometemos, terem insónias e quem é verdadeiramente mau dormir na maior paz.

 

Ter consciência é uma chatice...Há tempos atrás vi na televisão uma reportagem sobre um dirigente nazi, não me lembro nome mas também que importa, que fugiu para a América Latina e depois foi apanhado só que antes de se conseguir julga-lo ele morreu serenamente de velho. Tenho a impressão que ele devia dormia mais em paz do que eu que nunca mandei gasear pessoas. Não me parece justo, ou então penso simplesmente demais. De qualquer modo prefiro assim. O mal é um tema interessante. Por exemplo, é curiosa a tendência de dizer as crianças para se manterem afastadas de pessoas mal encaradas...Deviam ensina-las que, na verdade, o mal tem muitas formas. Talvez assim não tivessem que aprender á sua própria custa. E isso de os monstros estarem debaixo da cama...Antes lá estivessem.

 

Era tão bom que as coisas encaixassem todas nos estereótipos: isto é perigoso, isto é seguro, isto é correcto, isto é errado...Este episódio do peixinho também me fez pensar noutra coisa inquietante: a facilidade com que se atravessa a linha de separação entre uma coisa e outra. Na aparência o bem e o mal parecem estar perfeitamente demarcados, quer dizer vocês não andam para aí a matar pessoas com um picador de gelo e com uma máscara de hóquei na cara (espero que não, mas não ponho as mãos no fogo por isso), o problema é que a coisa é mais insidiosa do que parece. Uma vez para a cadeira de Psicologia no secundário tive de fazer um resumo da experiencia de Milgram e apesar de todos os defeitos que se possam apontar a esse estudo eu fiquei arrepiada. Não sei se já falei disto aqui, mas ok...É um bocado inquietante imaginar que a senhora da frutaria possa passar de pessoa simpática para um ser capaz de me dar choques até a morte. E dormir descansadamente depois disso. No fundo somos todos uns monstros em potência.

2 comentários

Comentar post

Quem Escreve Aqui

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Avisos

As opiniões sobre livros e afins podem conter spoilers. Comentários agressivos ou insultuosos não serão aprovados. Este blog não adopta o novo acordo ortográfico

Calendário

Fevereiro 2014

D S T Q Q S S
1
2345678
9101112131415
16171819202122
232425262728

Sumo que já se bebeu

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D

Algo especial a dizer?