Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Desabafos Agridoces

"Enfim, bonito e estranho, desconfio que bonito porque estranho"

Desabafos Agridoces

"Enfim, bonito e estranho, desconfio que bonito porque estranho"

Clara Não e as alegrias de ser uma cabra

Outro dia estava de boa na internet, se é que isso é possível, quando me deparo com o seguinte: um tipo pediu a namorada em casamento durante a cerimónia de formatura dela - aquela cena que fazem lá na América. Achei lame, depois pensei mais um pouco e senti arranques de vómito, especialmente ao pensar na quantidade de pessoas que iam achar aquilo uma fofura. Um bonequinho a vomitar resume bem o que acho de muita coisa que encontro por aí. Claro que só fiquei a saber da situação porque outras feministas, outras cabras, desmancha prazeres, também apontaram o quão tóxico e coercivo é este tipo de comportamento. Vamos inverter isto, só por graça:

 

Então sempre vai acontecer?

Sim, pedi ontem o Zé em casamento.

Que giro, como foi? 

Oh, ele estava a meio da apresentação da tese e eu entrei por ali a dentro e com toda a gente a ver fiz o pedido! E claro que ele disse que sim!

Aposto que ninguém mais ligou àquelas equações chatas dele...

Pois não, foi épico!

 

Supondo que vocês não são criticadas por fazerem o pedido (mulher deve ser passiva, deve esperar que a peçam. Não escolher, mas ser escolhida...) e interromperem o momento de superação do vosso companheiro, é impossível ignorar o nível de desconforto da cena. A diferença entre um oh que fofinho! e um: que original não é? Estas raparigas de hoje...Se ninguém disser que vocês humilharam o coitado. Fazer estas inversões permite-nos ver que o cavalheirismo, por exemplo, é claramente machista e ver a misoginia por trás das histórias de princesas e das ideias românticas tão comuns...

 

"(...) já avisei os meus pais, que se me casar, são os dois que me levarão ao altar e o meu hipotético noivo terá de ser levado também, que o meu pai não vai passar nenhuma propriedade; e não há cá “pode beijar a noiva”, mas sim “podem-se beijar”, porque nós só nos beijamos se ambos quisermos, o homem não pode decidir sozinho se beija a mulher ou não"

 

(entrevista de Clara Não na Vogue)

 

Que homem quer trocar de lugar com a princesa? Que lhe segurem a porta ou puxem a cadeira? É humilhante. É humilhante ter uma mulher a explicar-lhes algo, a ajudá-los com uma tarefa qualquer ou a defendê-los no recreio. Se é normal, porque é que os homens não são cavalheiros uns com os outros? Porque é que não dizem uns aos outros para sorrirem mais? Somos educadas para aceitar com honra e deleite tudo o que os homens nos oferecem, mas muitos preferem bater a bota a ser associados a algo feminino - o feminino representa para eles tudo o que é fraco e inferior.

 

A3 (2).jpg

(Instagram)

 

Também recentemente andava à procura de opiniões sobre um livro - e vi que alguém lhe deu uma estrela por causa da política da autora de não citar homens brancos. Deleite-me a imaginar a situação inversa: Bom dia. Hoje venho falar deste livro. Não gostei porque o autor não cita nenhuma filósofa ou teórica. Uma estrela. 

 

"Quando publiquei o Manifesto no Instagram, houve um homem que me atirou à cara teóricos e referências como se eu fosse burra (...): “Já estudou Situacionitas? Já estudou os Neo Primitivistas? Já estudou o quê afinal? Zines feministas? Já estudou etnografia? (…) Já estudou Hegel?” Quando li isto fiquei enfurecida, porque eu pesquiso sobre o que falo, li e leio tudo o que encontro sobre Feminismo, da Judith Butler à Simone Beauvoir, Betty Friedan e Roxane Gay, e além disso, e acima de tudo, sou mulher."

 

(da mesma intrevista)

 

No seu Teoria King Kong, Virginie Despentes faz um exercício de inversão:

 

"Dou de caras sem querer na Internet com uma carta assinada por Antonin Artaud [um escritor] (...) endereçada a uma mulher que ele declara não poder amar (...) no final, a coisa acaba assim: "preciso de uma mulher que seja unicamente minha, que eu possa encontrar em casa o tempo todo (...)

Desenvolvi uma paixão pela inversão, só para ver no que dá.

"Preciso de um homem que seja unicamente meu, que eu possa encontrar em casa o tempo todo." Isso soa diferente de imediato (...) A música é outra."

 

Se é. A inversão revela a nossa dualidade de critérios quando julgamos a acção de homens e mulheres, nos assuntos que escolhemos discutir - passamos alegremente à frente de casos brutais de violação ou de raparigas queimadas vivas por denunciarem assédio na escola. Levando em conta o que algumas pessoas dizem é preferível pegar fogo a seres humanos do que ser feminista. Planos para 2020?

O feminismo envolve um questionamento constante: como seria se isto fosse feito por uma mulher ou se tivesse uma personagem feminina? estamos a julgar a personagem feminina e masculina de um livro ou filme da mesma maneira? Porque é que nesta situação pensamos de imediato numa figura masculina? E se trocássemos o ele por ela?

 

captain-marvel-gif-6.gif

 

Consciente ou inconscientemente há um ego frágil por trás da ideia daquele pedido de casamento: a incapacidade de aceitar que uma mulher receba reconhecimento pelo seu intelecto e esforço, ter que intervir e ser o centro das atenções. E se a mulher quisesse dizer não como poderia - com uma multidão a ver? Ela não vai querer ser desmancha prazeres...

 

Tenho gosto em ferir o ego, se esse ego é machista

(tirado daqui)

 

Ser feminista é ser desmancha prazeres: é estar toda a gente a aplaudir um jogador e vocês apontarem o seu péssimo exemplo, é apontar que essas piadas não têm graça, que isso não é normal, não é fofo ou romântico, apontar que essa versão da História é uma mentira. É ferir egos machistas. Sim, pessoas vão ficar ofendidas e dizer que estamos a arruinar a comédia, o cinema, as relações, a produção de abacaxis...Mas quando nos rimos de algo só para não parecer mal e ninguém ficar maçado estamos a ser cúmplices da nossa própria opressão. Por isso: muito obrigada, mas não.

Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Quem Escreve Aqui

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Avisos

As opiniões sobre livros e afins podem conter spoilers. Comentários insultuosos serão apagados. Este blog não adopta o novo acordo ortográfico.

Calendário

Agosto 2019

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
25262728293031

Sumo que já se bebeu

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

A Ler...

Algo especial a dizer?

subscrever feeds