Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Desabafos Agridoces

"Enfim, bonito e estranho, desconfio que bonito porque estranho"

Desabafos Agridoces

"Enfim, bonito e estranho, desconfio que bonito porque estranho"

A Justiça é uma máquina trituradora

A propósito do Dia da Mulher voltei-me a lembrar deste fenómeno muito comum: feminismo amigável. Quando uma pessoa quer escrever sobre igualdade mas não quer ofender...Ou passar a imagem de uma mulher histérica ou raivosa - e por isso se atira tantas vezes a palavra feminismo para debaixo do tapete: substituindo por mais "diplomáticos" e "agradáveis" termos; escrevendo textos que dão tais voltas parece que a pessoa está perdida no labirinto de Creta; fazendo ressalvas a cada três linhas ou parágrafos introdutórios para que se saiba absolutamente, sem sombra de dúvida e com atestado de psiquiatra que se trata de uma fêmea equilibrada.

 

Este conceito de feminismo amigável não faz sentido. Mesmo que ninguém escreva a primeiríssima coisa que lhe venha à cabeça, se vamos escrever sobre feminismo que o façamos sem rodeios. Em primeiro lugar porque de outro modo é perda de tempo. Vai haver sempre alguém a sentir-se ofendido, não importa as voltas que dêem. Em segundo quando isso acontece o problema não é vosso. Em terceiro, esta sociedade não gosta quando se fala de igualdade por isso andarem a pedir desculpa por falarem sobre isso ou sentirem que têm de se justificar, quando é tão legítimo indignarem-se com tanta desigualdade - é o que esta sociedade quer. Não é preciso muito para uma mulher ser vista como histérica, raivosa ou exagerada basta ter mais sentimentos que uma jarra decorativa. E falar mais do que uma. Lembrem-se que esta é a mesma sociedade que diz que vocês nasceram para cozinhar, serem fodidas e parirem. O que nos leva ao quarto motivo: usar paninhos quentes para falar de uma sociedade que vos vê desta maneira?

 

Muitas vezes tenho vontade de imprimir passagens que leio sobre igualdade e distribuí-las por aí, pois fico perplexa com a dificuldade de algumas pessoas em perceber coisas tão básicas - como o facto de não sermos jarras decorativas. A algumas eu gostaria de atirar um sapato. A existência de predadores sexuais já é horrível por si só, mas vemos a profundidade do problema quando hordas de defensores começam a sair do pântano. Defender um violador é tão fácil e ainda passamos por corajosos contra a corrente, especialmente se falarmos na importância da "liberdade de expressão" e da "arte". Cada vez que alguém começa um texto com: "porque é que elas só decidiram falar agora" ou "porque é que elas não fizeram nada antes", isso é descredibilizar as vítimas e desviar a atenção do agressor - é ficar ao lado do agressor. Não importa quão modernos e boas pessoas vocês se possam achar: é este tipo de pensamento que permite que estes predadores continuem a ficar impunes.

 

"Hoje em dia já nem se pode tocar..."; "será que também vão proibir o sexo?"; "porque parecem as mulheres terem medo de sexo?!"...Fico a imaginar se estas pessoas estivessem frente a frente com uma mulher violada aos onze anos por dez tipos que acabaram ilibados, teriam coragem de dizer tais coisas. Claro que para alguns tudo isto é um complô do politicamente correto. Eu seria politicamente correta se dissesse, digamos que é triste que o Nobel da Literatura possa não ser entregue este ano por causa dos escândalos de abuso, um prémio tão nobre e importante...Mas não vou dizer isso. Que se dane. Quando é que estes prémios foram alguma vez justos connosco? Ou se parasse para analisar o que realizadores\actores dizem em defesa de outros. É expectável: não querem que as suas cabeças rolem também. E não querem ficar sem os seus brinquedos preferidos...Monstros defendem monstros.

 

Um conhecido autor escreveu: "Garotas comuns normalmente se preocupam muito mais em saber o que é bonito e como podem ser felizes do que com a questão de alguma coisa ser justa. “Justiça” é, sem dúvida, uma palavra de uso exclusivo masculino". Como garota comum que sou, não candidata a um Nobel, temo que este pensamento seja demasiado profundo para conseguir analisar. De facto, um conceito de justiça que desumaniza e humilha brutalmente um ser humano - que diz a uma mulher, uma menina, que é uma puta sedenta de dinheiro e que não só é culpada pelo que aconteceu como gostou de ser fodida à força, parece um conceito de justiça de "uso exclusivo masculino" que não nos deve interessar. Não feito para nos proteger - é por isso que precisamos de um novo.

Quem Escreve Aqui

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Avisos

As opiniões sobre livros e afins podem conter spoilers. Comentários agressivos ou insultuosos não serão aprovados. Este blog não adopta o novo acordo ortográfico

Calendário

Abril 2018

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
2930

Sumo que já se bebeu

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D

Algo especial a dizer?