Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Desabafos Agridoces

"Enfim, bonito e estranho, desconfio que bonito porque estranho"

Desabafos Agridoces

"Enfim, bonito e estranho, desconfio que bonito porque estranho"

Filmes: casinha na pradaria

(Mais um episódio de: coisas estranhas para ver antes de dormir. Na verdade, acho que talvez tivesse sido melhor se a história se focasse só na parte psicológica sem as partes de terror que são um bocado meh..Mas gostei de qualquer modo e recomendo. A actriz principal é óptima e a fotografia também - e filmes realizados e escritos por mulheres centrados em personagens femininas, we stan)

 

D4.jpg

D1.jpg

D7.jpg

D2 (1).jpg

 

The Wind

Emma Tammi

2018

"Lizzy is a tough, resourceful frontierswoman settling a remote stretch of land on the 19th-century American frontier. Isolated from civilization in a desolate wilderness where the wind never stops howling, she begins to sense a sinister presence that seems to be borne of the land itself (...) When a newlywed couple arrive at a nearby homestead, their presence amplifies Lizzy's fears, setting into motion a shocking chain of events"

 

Passear junto ao mar

(Apenas fotos aleatórias que tinha no telemóvel) 

 

B10.jpg

 

(Não sou esquisita - posso não ter proferido a frase "e se fôssemos passear junto ao mar" durante todo o Verão e tê-lo feito no dia em que caía um dilúvio que fez as ruas ficarem intransitáveis, com tampas de esgoto a saltar, e a sensação de que em vez de ver o mar estavámos a conduzir dentro dele)

 

A9.jpg

 

(Não sou gulosa - mas uma pessoa só consegue ouvir falar de algo um certo número de vezes até começar a pensar que está mesmo a perder uma coisa incrível. E a minha opinião é: estas bolachas são vida. Os mochis de cheesecake do Mercadona são igualmente vida, mas disso não há foto por motivos que não posso revelar)

 

b156.jpg

 

(Não sou péssima a tirar fotos - mas montes do que parecia ser lama estavam a boiar à superfície da água tornando o cenário um pouco inestético. Não é irritante quando as coisas não estão apresentáveis como queremos para tirar uma foto?)

 

Mais livros novos!

E considerações de cariz variado

C9.jpg

 

- Vi nas notícias que o consumo de broa foi desaconselhado em alguns sítios e que aparentemente o problema foi a farinha que estava contaminada. Já tinha ouvido dizer que comer farinha crua faz mal, lembrei-me eu do nada, e disse isto aos presentes na mesa, mas ao mesmo tempo veio-me à mente as muitas vezes que comemos massa crua dos bolos - e gostaria de dizer que larguei esse hábito há anos, mas a ultima vez que comi foi a semana passada. Talvez hoje em dia os pais já não deixem as crianças besuntarem-se com os restos da massa do bolo - nós vivíamos no perigo, rodeados de bolo de bolacha com ovos crus e café (vi alguém a perguntar num comentário no Youtube qual era a alternativa ao café no tiramisu por causa das crianças) e de mousse de chocolate com os ovos crus e o álcool que aqui em casa costuma ser whisky, a dose meio a olho.

Algumas coisas devem mesmo já ter caído em desuso - acho que agora os pediatras já não dizem para se colocar miolos na sopa dos bebés, comi muito. E já ninguém corre o risco de trincar uma fatia de bolo-rei e partir um dente ou morrer engasgado com um objecto não comestível, disto estava livre já que não gosto de bolo-rei. Uma coisa que me causava grande terror era aquele fogo de artifício feito com canas. Uma pessoa ia pela rua da aldeia a cantarolar o meu querido mês de Agosto, levava com aquilo na cabeça e adeus. Era o Final Destination antes de este ser inventado.

- Costumava ter medo do escuro já numa idade tardia, depois passou talvez porque percebi que o maior perigo do escuro não eram criaturas escondidas nos cantos mas tropeçar em qualquer merda que devia ter arrumado mas deixei no chão. Também me passou o medo de agulhas. Se o problema é o sangue - se durante o período já tive de andar baixada a limpar sangue do chão, um bocadinho numa agulha não é nada. Mas tê-las espetadas na mão dispenso bem, assim como ser espetada no rabito, não tanto pela dor mas mais pela humilhação. Ainda tenho medo de alturas - não que isso me tenha impedido subir a alguns castelos: sentia-me tão empoderada quando chegava ao topo e admirava a paisagem, até perceber que depois tinha de descer. Nem subo para cima de cadeiras. Tenho medo de qualquer coisa que me possa aleijar ou seja de tudo.

Estava a ouvir um podcast (ficcional) e a personagem mencionou a sua pulsação acelerada quando tinha de ir a um balcão pedir panquecas. Derramei uma lágrima de reconhecimento. Há pessoas que não têm este problema: chegam ao balcão do Mc, sem sequer terem treinado o pedido antes, pedem clara e assertivamente, alteram rápido as suas intenções se não houver o que querem, não tremem ao pagar e depois levam confiantes nos seus passos o tabuleiro até a mesa onde comem como se não tivessem acabado de realizar algo incrível. Detesto essas pessoas. Não é verdade - dá jeito mandá-las ir buscar a comida enquanto ficamos sentados na mesa a pensar se no caso de acontecer alguma coisa dará tempo para chegar à porta e fugir.

- Não percebo aquela expressão "fazer de advogado do Diabo". Em primeiro lugar: o Diabo precisa de advogado? E se precisa porque iria recorrer a alguém a tentar passar por esperto na internet em vez de a um escritório credenciado? Será que precisa mesmo o Diabo de sair dos seus domínios infernais para encontrar um advogado? Agora estou a ser ofensiva - quando alguém usa esta expressão quase de certeza que vem aí algo ofensivo. Red flag.

- Ainda outro dia vi um anúncio na TV onde eram feitas estas três asserções: que os humanos são os únicos que contam histórias uns aos outros, que partilham o lanche e que tomam conta uns dos outros até ao fim da vida. Ora, a primeira ainda posso dar de barato embora os animais possam contar coisas, por exemplo pesquisando por orcas aparece esta informação: "Killer whales learn 'coordinated' attacks on sailboats, some observers say. Orcas may be teaching each other new ways to strike boats (...)"; a segunda, não tendo os animais o conceito de lanche será que não sabem partilhar? E a terceira parece-me insana, pensando em todas as espécies que vivem em grupo e as que acasalam para vida. 

E esta história de uma gansa que dando por falta do seu parceiro foi até à clínica onde este estava a ser tratado a fracturas numa pata para o ver? E especialistas que dizem que as vacas formam relações complexas e que as suas dinâmicas são semelhantes às das famílias humanas? Este anúncio era a leite, já agora. Deviam ter acrescentado que só os humanos são capazes de atrocidades como manter uma orca, como vimos animais altamente inteligentes e sociais, em completo isolamento por mais de uma década. Elas têm razão em querer afundar barcos.

Também no fascinante mundo da publicidade topei com este reclame a pensos higiénicos - começou meio estranho com uma mulher a informar o operador de caixa do supermercado que estava com o período (um dia será um homem neste papel...Pelo menos quando o ego frágil de alguns recuperar daquele anúncio da Gillette), mas depois mostra líquido vermelho - e passou à hora de almoço, não às onze da noite como os anúncios dos lubrificantes! Esperemos que esta prática se torne comum. Eu devia ver mais TV - numa novela uma personagem queria ir para freira e vai outra e diz - a sério? Uma moça tão bonita...E tão boa pessoa. Quase caí da cadeira ao ouvir isto. Mas ela ia "casar com Deus" ou entrar no próximo The Conjuring? Fica a dúvida.

- Pode parecer que não faço mais nada senão comprar livros, mas entre os anteriores e estes já se passou um bom tempo. O Meu Nome é Lucy Barton já li mas não tinha em papel e o Manual Para Mulheres de Limpeza estava na minha wishlist. A Alfaguara tem estas edições tipo de bolso com capa dura e a um preço mais em conta. Os outros três títulos estavam no lixo, bem não exactamente dentro do lixo pois a pessoa seguiu aquela regra não escrita - se vamos deitar livros fora estes devem ser colocados num saco ou caixa junto ao contentor para outras pessoas poderem aproveitar. Não estão impecáveis e têm um cheiro um tanto esquisito, mas não é muito diferente de livros que já comprei em segunda mão. Porque é que alguém se quis livrar de um Saramago e de um Eça nunca saberemos...

Quem Escreve Aqui

Feminista * plus size * comenta uma variedade de assuntos e acha que tem gracinha * interesse particular em livros, História, doces e recentemente em filmes * talento: saber muitas músicas da Taylor Swift de cor * alergia ao pó e a fascistas * Blogger há mais de uma década * às vezes usa vernáculo * toda a gente é bem-vinda, menos se vierem aqui promover ódio e insultar, esses comentários serão eliminados * obrigada pela visita!

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Calendário

Setembro 2023

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930

Sumo que já se bebeu

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2017
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2016
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2015
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2014
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2013
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2012
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2011
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2010
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D
*

A Ler...

*
*

Algo especial a dizer?

*