Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Desabafos Agridoces

"Enfim, bonito e estranho, desconfio que bonito porque estranho"

Desabafos Agridoces

"Enfim, bonito e estranho, desconfio que bonito porque estranho"

RED

A1 (1).jpg

(Red Flag, Judy Chicago. 1971)

 

Já terminei Period. End of Sentence. de Anita Diamant, uma colecção de ensaios que abordam o estigma da menstruação e a injustiça menstrual. Algumas partes são de dar a volta ao estômago e não é pela menção ao sangue, mas sim de ler como a vergonha desgasta a auto-estima das raparigas e lhes corta as oportunidades. Em países ditos desenvolvidos raparigas continuam a faltar à escola quando estão com o período, por exemplo nos Estados Unidos pessoas que dependem de ajudas do governo não podem usar esse benefício para comprar produtos para o período, itens que são pouco doados e que são muito caros também devido ao chamado tampon tax ("a value-added tax or sales tax charged on tampons and other feminine hygiene products while other products considered basic necessities are granted tax exemption status")

E que também não estão disponíveis gratuitamente em locais de trabalho e escolas. Num hospital de Wuhan, nos primeiros dias do Covid, o pessoal médico feminino ficou sem produtos para o período e quando os requisitaram aos seus supervisores o pedido foi negado com a resposta que elas deviam lidar com isso elas próprias...A história foi contada por uma enfermeira de vinte e um anos e resultou em centenas de doações - "Some hospital administrators turned away the donations, either unaware or dismissive of the need. Eventually, the supplies arrived, but not before the story was widely reported."

 

A2 (1).jpg

 

(Foto de Rupi Kaur, tirada pela sua irmã em 2015 como parte de um projecto universitário. Foi removida duas vezes pelo Instagram, alegadamente por violar os termos da plataforma.

 "(...) I will not apologize for not feeding the ego and pride of misogynist society that will have my body in underwear but not be okay with a small leak when your pages are filled with countless photos/accounts where women (so many who are underage) are objectified, pornified and treated less than human.")

 

A vida já é difícil mas se além de não existir uma educação sexual adequada [pausa para falar da minha memória da única aula de educação sexual de que me lembro, nem sei como acabamos nessa aula e penso ter sido uma iniciativa de uma docente só. Ela tentou ensinar-nos a colocar um preservativo - não numa banana - e quando um colega quis impressionar a namorada com o seu conhecimento das partes da genitália feminina foi um desaire.

O que aprendem os jovens hoje em dia?] e acesso a produtos de higiene, também não existir acesso a cuidados de saúde, água corrente e privacidade, a menstruação torna-se um inferno para milhões de mulheres e meninas que são forçadas abandonar a escola e que chegam a tirar a própria vida com a vergonha de terem manchado a roupa. Em alguns lugares as mulheres não podem entrar nos templos ou sequer ficar na casa de família durante o período.

 

A3 (1).jpg

(Lyla Freechild, ilustração feita com tinta e sangue menstrual. Encontrada aqui)

 

(Casey Jenkins, Casting Off My Womb)

 

O livro foi inspirado no documentário com o mesmo nome (e já vi e gostei muito - está disponível no Youtube) produzido pelo The Pad Project, uma ONG cuja missão é acabar com o estigma e emponderar pessoas que menstruam ao redor do mundo. O filme mostra as dificuldades que todos os meses enfrentam as mulheres de uma pequena aldeia indiana e como as coisas começam a mudar quando é ali instalada uma máquina que permite que elas próprias fabriquem pensos.

Há no livro ensaios focados na menstruação no contexto de trabalho, no contexto prisional, no impacto ambiental e no factor racial, entre outros. É uma luta que tem muitas frentes...A autora fala também de como algumas culturas celebram a primeira menstruação e de como algumas pessoas estão a criar as suas próprias celebrações além de dar muitos exemplos de activismo seja na arte, na comédia, na criação de novos produtos, em campanhas [depois de a direcção de uma escola ter recusado colocar tampões grátis nas casas de banho um grupo de alunas decidiu protestar fazendo bolachas em forma de tampõesem trinta anos só uma vez vi um dispensador e era a pagar.]

 

A7.jpg

 

(Carolee Schneemann’s  [1939-2019] Blood Work Diary, made during one of her periods in 1972, was created by drying blood on tissue paper with the help of egg yolk to keep the blood set in place. Schneemann’s inspiration for this work was partly homage and partly lament to the hypermasculinity of one of her former lovers (...) he once felt sick while they were having sex because he witnessed a drop of period blood. “The whole masculine trope is to blow up bodies and eviscerate them and pound them into the earth. The whole language of Vietnam was about pulverising bodies and then the contradiction of this modest amount of menstrual blood carrying this immense taboo”)

 

Também acabei Fruit of Knowledge: The Vulva vs. The Patriarchy da cartoonista sueca Liv Strömquist. Fui logo conquistada pelo primeiro segmento que fala de um grande problema - é que enquanto por um lado temos a sexualidade feminina coberta em vergonha e invisibilidade por outro temos homens que se preocupam excessivamente com o assunto, com funestas consequências e ela apresenta uma lista com vários exemplos [aqui está algo para pensar da próxima vez que comerem os famosos cereais de pequeno-almoço: o seu criador propôs que as senhoras colocassem fenol no clitóris. E este é só o primeiro nome da lista.]

 

A6.jpeg

(Sarah Maple, Menstruate with Pride. 2010-11. Encontrado aqui)

 

A seguir vêm três segmentos, um fala da menstruação: porque será que os anúncios a produtos para o período sempre usam palavras como protecção, segurança e frescura? Quanto tempo de vida perdemos a tentar que ninguém note nada? No fundo tudo gira em torno disto: não é se vocês estão bem ou mal, mas se os outros, especialmente os homens, ficam a saber. E assim bolsinhas insuspeitas continuam a atravessar corredores...Não estará ultrapassado o conceito de que se queremos igualdade temos de fingir que nada se está a passar?

Outro sobre a misteriosa ausência da vulva na representação das figuras femininas e a confusão entre os termos vagina e vulva - um exemplo disso são as imagens de um homem e de uma mulher que a NASA mandou para o espaço em 1972 na sonda Pioneer. A figura masculina tinha um órgão genital mas a mulher não (o desenho inicialmente tinha uma linha indicando a vulva, mas essa versão não foi aprovada...) A subtracção das nossas partes externas e visíveis convenientemente reduz-nos a um mero buraco à espera de ser penetrado. E um segmento sobre a ausência também misteriosa de menções ao clitóris e de estudos sobre a sua anatomia e a maneira muito diferente como é descrito o prazer masculino e o prazer feminino.

 

A7 (1).jpg

(Frances Cannon, Monsoon Season. Encontrada aqui)

 

Algo interessante é que a autora mostra como as pessoas que existiram antes de nós tinham ideias bem diferentes sobre estas coisas - elas não tinham problemas em esculpir vulvas! Ou seja muitas ideias misóginas que carregamos hoje e que muitos argumentam serem naturais e da biologia, são na verdade construções culturais recentes. Um livro informativo escrito com sentido de humor, só tenho pena que tanto um título como o outro não sejam maiores. Entretanto nota-se que tive um tempo bem passado a pesquisar sobre menstruação na arte.

Filmes: tigres, abelhas e beija-flores

(Demorou algum tempo a arrancar, mas aqui estão os três primeiros filmes de 2022)

 

B1 (1).jpg

 

Vuelven (2017)

Issa López

"A dark fairy tale about a gang of five children trying to survive the horrific violence of the cartels and the ghosts created every day by the drug war"

(Tirado do IMDb)

 

B2 (1).jpg

 

Beolsae (2018)

Bora Kim

"Set in 1994 in Seoul, a touching coming-of-age drama centered around the quiet eighth-grader Eun-Hee. Struggling to make passing grades and subject to non-stop screaming at home, she spends her time finding meaning in the love and friendships of her peers, in shoplifting, and in karaoke bars (...) Then her new Chinese teacher turns out to be so utterly different from everybody else"

(Tirado do IMDb e daqui)

 

B3 (1).jpg

 

Medena zemja (2019)

Tamara Kotevska e Ljubomir Stefanov

"Hatidze utilizes ancient beekeeping traditions to cultivate honey in the mountains of North Macedonia. When a neighboring family tries to do the same, it becomes a source of tension as they disregard her wisdom and advice"

 

Cantar o corpo em perigo

Dei por mim a lembrar-me disto: uma vez escrevi num texto que todos os homens são ensinados a odiar as mulheres e houve alguém que não gostou. Ainda acho isso. Mas não estou a sugerir que os vossos companheiros ou filhos estão apenas à espera de uma oportunidade para vos espetarem uma faca nas costas como nos Idos de Março. Estava a referir-me ao facto de crescerem rodeados pela ideia de que as mulheres são coisas sem grande valor: as raparigas são nojentas, falam muito, fazem coisas sem sentido, são instáveis, não têm força, nasceram para se adornarem e tomarem conta de bebés...

Um dos documentários que vi recentemente mostrava que apesar da escravidão ter sido abolida nos Estados Unidos, continuou a existir apenas metamorfoseada em outra coisa e quando essa coisa também deixou de ser aceitável metamorfoseou-se de novo. De certo modo acontece o mesmo com as mulheres. Se não é mais aceitável queimá-las vivas, ou fechá-las em hospitais psiquiátricos ou impedí-las de votar ou de entrarem para uma universidade ou de fazerem um aborto - qualquer outra coisa se vai arranjar: “Systems of oppression are durable, and they tend to reinvent themselves.” 

Muita gente acaba por ter a sensação de que avançamos pouco pois por cada avanço e cada direito conquistado (e não concedido) o contra ataque é enorme. É naive achar que estas ideias misóginas não se vão entranhar (o mesmo acontece com o racismo e a homofobia). Quando ando a pesquisar filmes nem sempre é imediatamente perceptível se a pessoa que realizou é uma mulher - porque não sei se o nome é masculino ou feminino ou o texto tem no início uma imagem do filme. E percebi que até essas pequenas imagens me estavam a activar os estereótipos de género interiorizados, sobre o tipo de filme que é suposto uma mulher e um homem realizarem. 

Mesmo que um tipo seja decente a crua realidade é que ainda assim estará a beneficiar deste sistema de desigualdade - do facto de ganharmos menos e sermos mais afectadas em alturas de crise, por exemplo. Esta realizadora não estará a competir com vocês por um Óscar porque ela foi destruída por homens menos decentes e abandonou a indústria, esta cientista não estará na lista de candidatos aos Prémios Nobel porque o ambiente era tão hostil que ela acabou por escolher outra carreira, esta mulher de negócios não chegará a ceo porque a pressão de conjugar trabalho, filhos e casa sem ajuda foi demais. Esta rapariga nunca chegará a ser médica ou artista porque foi humilhada na escola por estar com o período e cometeu suicídio - uma história real que terei do livro Period. End of Sentence de Anita Diamant, mas uma pesquisa rápida devolve vários casos semelhantes:

 

"According to media reports, the girl's mother said a teacher had called her "dirty" for soiling her uniform and ordered her to leave the class. In Kenya, many girls cannot afford sanitary products such as pads and tampons and – despite the passage of a law in 2017 to provide free sanitary towels for schoolgirls – the girl had nothing to protect her clothes. She came home and told her mother about the incident but when the mother went to fetch water, she took her own life.

(...)

Access to menstrual products is a huge problem across sub-Saharan Africa, where an inability to afford sanitary products prompts many girls to avoid school during their periods. A 2014 Unesco report estimated that one in 10 girls miss school during menstruation, which means they miss out on 20% of their schooling each year"

(Tirado daqui e daqui)

 

Livro que também fala de mulheres que morreram por terem de ficar em lugares sem condições enquanto estavam menstruadas, pois não lhes é permitido estar em casa com a família, e de raparigas em países "civilizados" que também faltam às aulas por não terem dinheiro para comprar produtos de higiene (ou porque têm tantas dores que não se conseguem levantar da cama. Muitas vezes os médicos desprezam as queixas das mulheres - um estudo revela: "Women 32% more likely to die after operation by male surgeon"

O corpo feminino é um corpo em perigo constante. Outro dia encontrei uma lista de filmes e séries que mostram personagens femininas de um modo misógino\hiper-sexualizado. Tinha os suspeitos do costume incluindo séries que são: rape/torture porn for the male gaze. E isto fez-me pensar que é um bocado contraditório - por um lado a concordância de que as mulheres merecem respeito. Somos iguais. A violação é um crime. E por outro o tempo dispensado a ver séries onde mulheres são violadas constantemente. Penso: é isso excitante? É um bom entretenimento? É apelativa a ideia de dobrar qualquer mulher que apeteça? Mas continuaria a ser excitante se no lugar delas estivessem eles ou seria desconfortável? 

Aquilo que somos capazes de normalizar é impressionante. E as coisas não existem no vácuo, a ideia de ter a violação como entretenimento integrada na cultura popular é horripilante - uma manifestação de puro ódio (e uma arma de guerra, não nos esqueçamos). Um corpo destruído é um corpo que não consegue mais erguer a sua voz, especialmente quando as pessoas se recusam a acreditar. 1001 formas não de cozinhar bacalhau mas de destruir uma mulher [o patriarcado também mata homens, paradoxalmente]

"The opposite of rape is understanding", diz um poema. Não é só o corpo feminino, mas também os corpos não brancos e queer que estão sempre em perigo. A questão da empatia ficou de novo a burilar no meu espírito: empatia é ouvir uma vítima de violação; não é apenas entender um não dito de forma directa mas entender quando a outra pessoa está desconfortável - e não ter de a forçar a inventar desculpas para não ter que fazer sexo (btw aqui está outro dado: apenas cerca de 30% das mulheres têm um orgasmo provocado pela penetração - há muita preguiça e muitas mulheres não estão a receber o que merecem...); talvez seja comprar uma caixa de pensos para a outra pessoa e não exigir que fiquem escondidos fora da vista; talvez seja menos passar aulas a dissecar sapos e mais a aprender anatomia feminina.

Talvez seja deixar uma aluna ir à casa de banho durante um exame, calando alguém na fila atrás que protestou ao ver isso. Não é ver na televisão tantas pessoas a fugirem de conflitos e pobreza ao longo dos anos e só agora ocorrer ao pensamento que essas mulheres vão precisar de pensos, tampões ou panos limpos: uma manifestação de privilégio da minha parte. Só que não é conveniente ensinar isto aos rapazes, não vão eles abandonar a ideia de que têm de dominar e controlar a todo o custo. E assim se inventaram coisas como: os homens não conseguem ser empáticos porque vieram de Marte...Tenho a certeza que esse planeta vermelho nada tem que ver. Precisamos de mais produtos onde não sejamos desumanizadas. O corpo livre é um conceito revolucionário, séries inteiras poderiam ser escritas sobre ele.

Leituras: pipis por todo o lado

Já terminei Lolly Willowes de Sylvia Townsend Warner. A história começa quando a nossa protagonista, Laura - uma solteirona à proveta idade de 28 anos - vai viver para casa do irmão em Londres. Até aí ela tinha levado uma vida pacífica no campo com o seu pai, lendo livros considerados impróprios para moças, colhendo plantas e fazendo destilações com elas, não mostrando interesse em ir a festas onde poderia arranjar marido - desconsiderando assim o dever de toda a mulher jovem e casadoira de ser charmosa. Quando o seu pai morre não ocorre a ninguém perguntar-lhe o que ela deseja - é esperado que ela fique contente com o quartinho que lhe dão e que se torne útil. Rapidamente ela perde a sua identidade, deixando de ser Laura para passar a ser a tia Lolly...Não pode ir a lado nenhum nem fazer o quer e nunca consegue estar sozinha, absorvida pela rotina da família. 

Até que um dia para espanto de todos ela anuncia que vai sair de Londres para ir viver sozinha numa pequena aldeia no campo. Publicado em 1926 Lolly Willowes além da incorparação de elementos de fantasia, advogava que as mulheres tinham o direito de ser independantes e de terem um sítio só para si, três anos antes de o A Room of One's OwnQuando começou a escrever este romance, Sylvia tinha vinte e nove anos e nenhum marido. Vivia num pequeno apartamento na capital e trabalhava numa editora, também tinha começado a escrever e a publicar poesia.

 

D6TXDwqp_400x400.jpg

 

Uma vida um pouco menos confinada do que a vida da sua personagem, nascida vinte anos antes. Ao longo da sua carreira (faleceu em 1978) ela publicou mais cinco romances, vários livros de poesia e contos, traduções e biografias. Era activa no partido comunista, serviu na Cruz Vermelha durante a Guerra Civil Espanhola, e durante quatro décadas manteve uma relação com uma mulher. 

Mais um nome para a lista de autoras que me eram absolutas desconhecidas, onde estão por exemplo May Sinclair (Life and Death of Harriett Frean) e Mary Bright (Keynotes). Entretanto comecei o livro que estava na mesa de cabeceira e que mostrei num post anterior. Muitas saudades tinha esta que vos escreve de coisas como esta que diz o protagonista referindo-se à mulher por quem está apaixonado: "Que infelicidade a sua, não poder aspirar a possuir aquela criatura ideal!" Alguns pessoas dariam um desconto já que foi escrito em 1882, já eu acho que os homens são estranhos.

Não sei o que o autor acharia de estar encaixado entre livros que falam de bruxas e outras mulheres não ideais (felizmente) e genitália feminina. Às vezes as leituras alinham-se:

 

b5.JPG

 

Pois a seguir estou a pensar ler Period. End of Sentence. A New Chapter in the Fight for Menstrual Justice, de Anita Diamant (autora do livro The Red Tent). A Origem do Mundo (Uma História Cultural da Vagina ou a Vulva Vs. O Patriarcado) de Liv Strömquist, não ficou muito visível na foto, foi um achado e não me parece que vá passar muito tempo até o ler. Pode parecer que isto são livros que chegue envolvendo pipis, tendo em conta que no fim do ano passado li O Prazer da María Hesse, mas devo ter mais uns dois livros sobre este assunto. Nunca são demais.

Quem Escreve Aqui

Feminista * plus size * comenta uma variedade de assuntos e acha que tem graça * interesse particular em livros, História, doces e recentemente em filmes * talento: saber muitas músicas da Taylor Swift de cor * Blogger há uma década * às vezes usa vernáculo * toda a gente é bem-vinda, menos se vierem aqui promover ódio, esses comentários serão eliminados * obrigada pela visita

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Calendário

Março 2022

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031

Sumo que já se bebeu

  1. 2022
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2021
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2020
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2019
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2018
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2017
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2016
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2015
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2014
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2013
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2012
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2011
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2010
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
*

A Ler...

*
*

Algo especial a dizer?

*