Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Desabafos Agridoces

"Enfim, bonito e estranho, desconfio que bonito porque estranho"

Desabafos Agridoces

"Enfim, bonito e estranho, desconfio que bonito porque estranho"

Reflexões enquanto leio sobre mulheres

Comecei a ler Portuguesas com M Grande. Fico sempre entusiasmada com livros destes - e este tem correspondido plenamente às expectativas! Tenho o hábito depois de ler cada biografia ir pesquisar um pouco mais, o que torna estas leituras um perigo à noite. Vou a ler e a clicar por aí fora e quando dou conta já é tardíssimo. Quando estava a pesquisar sobre Josefa de Óbidos descobri que há quem não aprecie esta artista do século XVII e ache que as suas pinturas são pastosas, uma freira que pintava quadros, uma artista menor com as suas naturezas mortas: 

 

"Em 1949, o escritor Miguel Torga visitou a primeira exposição sobre Josefa de Óbidos realizada no Museu Nacional de Arte Antiga e não escondeu a sua decepção. “A senhora faz renda com os pincéis. Que falta de imaginação, que miséria de desenho, que geleia aquilo tudo!”, escreveu no seu Diário. “Enquanto um baboso se extasiava diante de um Menino Jesus rechonchudo, que parecia uma trouxa-de-ovos, raspei-me. Raça de portugueses que não dão um pintor que se aproveite!”

O desprezo de Torga não foi um caso isolado. Quase todos os críticos, exasperados com a aura de popularidade de que a pintora do século XVII gozava junto dos coleccionadores, que disputavam os quadros que surgiam nos leilões ou no mercado de antiguidades, concluíram tratar-se de uma artista menor, monótona, ingénua."

(tirado daqui)

 

O que achei muito curioso foi isto: as galerias dos museus estão cheias de pinturas religiosas feitas por homens, há para todos os gostos incluindo muita cena mística e extasiada - ou diria pastosa? Mas não costumo ouvir estes adjectivos serem usados para classificar as suas obras, em vez disso costumo ouvir o quanto elas são importantes na História. Estes pintores não recebem epítetos inferiorizantes e se pintaram naturezas mortas isso não os torna menos geniais - é visto como uma prova de versatilidade! De facto, este duplo padrão mostra que o mundo não suporta uma mulher que, neste caso, pegue nos pincéis. Ainda menos uma que consiga viver da sua arte e ter sucesso, críticos atiram-se de pontes perante a ideia, os seus corpos flautando que nem Ofélias rio abaixo.

 

Mais adiante vim a descobri que a primeira arquitecta portuguesa foi Maria José Estanco (1905-1999). Em 1942 ela terminou o curso tendo recebido o prémio de o melhor aluno de Arquitectura da Escola Superior de Belas ArtesUm futuro promissor parecia estar à sua espera. Só que a realidade é que ela não conseguia arranjar emprego, ninguém queria uma mulher nos ateliês. Jornais publicaram cartoons ridicularizando-a. Por fim ela acabou por enveredar pela decoração de interiores. Mais um caso em que uma mulher é forçada a virar costas ao que ambicionava fazer.

 

Fiquei com raiva. E mais uma vez veio-me à mente o que o mundo diz: que as mulheres não escolhem certas carreiras porque não querem ou porque não estão naturalmente inclinadas para elas - uma explicação tão fácil, afinal a culpa é nossa! Não obriga a pensar nem a mudar nada. Podemos alegremente ignorar estereótipos, descriminação, condescendência, assédio e ambiente hostil, as verdadeiras causas que fazem as mulheres não seguirem uma carreira numa determinada área ou optarem por certos nichos: médica não, enfermeira com sorte; Piloto? Nem pensar. Só hospedeira; porque não escreves livros infantis? Não estou a dizer que umas coisas são superiores as outras - é a sociedade que cria tais distinções, o que é considerado mais "apropriado" para homens e mulheres.

 

Carreiras patriarcalmente vistas como mais femininas ou como uma extensão das funções femininas funcionam como um escape. Dizer que as escolhas das mulheres foram\são totalmente livres ou que vivemos numa meritocracia é ignorar o ambiente ainda tão tóxico que nos impede de atingirmos o nosso potencial. Sobre isto li algo interessante recentemente: a respeito do Me Too muitas pessoas esfrangalharam os dedos dizendo que não podíamos simplesmente começar a acusar toda a gente, que estávamos a ficar fora de controlo [é esse o ponto, amigos], que era uma caça às bruxas [AH AH AH!] e queríamos era proibir o sexo e o romantismo - sucede que não é o sexo que nos horroriza, mas sim esta fortemente plantada arquitectura misógina que nos torna vulneráveis aos abusos de poder. Abusos que tem consequências directas e graves na nossa vida laboral .

 

Não se pára para pensar nos filmes incríveis, peças, teses científicas...Que estas mulheres podiam ter feito. Se não se tivessem despedido do emprego depois de agarradas e beijadas à força, se não tivessem voltado costas a uma certa área depois de esperem em vão por uma promoção ou depois de receberem mais uma proposta sexual, se não tivessem que gastar tanta energia a levar a tribunal um chefe que as abusou sexualmente. Nunca vamos saber. Mas o mundo não dá a mínima para este desperdício, está mais ocupado em fazer-nos ter pena de monstros e a tentar fazer-nos acreditar que a descriminação só existe nas nossas cabeças...

Quem Escreve Aqui

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Avisos

As opiniões sobre livros e afins podem conter spoilers. Comentários insultuosos serão apagados. Este blog não adopta o novo acordo ortográfico.

Calendário

Novembro 2019

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930

Sumo que já se bebeu

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

A Ler...

Algo especial a dizer?

subscrever feeds