Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Desabafos Agridoces

"Enfim, bonito e estranho, desconfio que bonito porque estranho"

Desabafos Agridoces

"Enfim, bonito e estranho, desconfio que bonito porque estranho"

Filme: The Age of Adaline

 

Nunca se deve perguntar a idade a uma senhora. Esta regra de etiqueta que vem desde os tempos imemoriais aplica-se que nem uma luva á personagem deste filme: Adaline Bowman não parecia destinada a ser mais que uma mulher comum no esplendor do início do século com as suas tragédias e glórias pessoais que o tempo se encarregaria de desvanecer até que um dia em 1937 sofre um grave acidente - depois disso descobre que deixou de envelhecer e que ficará eternamente presa nos vinte e nove anos. Mas o que parece ser uma bênção, juventude eterna, cedo se transforma numa maldição que acaba por a levar a uma existência solitária e sem laços durante décadas...Mas todos precisam de amor e quando um jovem carismático entra na sua vida e lhe desperta novamente o coração, Adeline percebe que terá de tomar algumas decisões difíceis.

 

O tempo é um daqueles assuntos que sempre fascinam os seres humanos talvez pelo seu carácter complexo e inexorável, por isso quando vi o trailer achei que era capaz de ser interessante além de ter uma personagem feminina como principal. E é uma boa ideia de base de facto...O problema é não passar disso mesmo: um verdadeiro festival de oportunidades perdidas. Até que não começa mal: Adaline passa de repente a ser um espécime muito especial e ganha consciência do perigo que isso representa deixando o espectador curioso pelo que vai suceder a seguir - há tensão, drama e também uma ligação ao passado histórico que fez o meu  coração dar um pulinho de contente, pois claro: as máquinas de escrever, aqueles carros ridículos...Gente, aqueles vestidos. Por exemplo, há uma cena inicial em que ela põem a correr fitas que mostram a construção da Golden Gate nos anos trinta...Achei tocante. Por ironia Adaline deixa de ter futuro para passar a ter só passado. Ela vive entre memórias de coisas que não voltam - modas, assassinatos, invenções, presidentes - como se fosse uma espécie de guardiã do tempo involuntária. É um grande peso, mas tem qualquer coisa de fascinante. Pelo meio também há boas referências literárias. Só que depois as coisas começam a descambar...

 

 

Como disse lá em cima a premissa é interessante e passível de ser apresentada sob vários ângulos: científico claro, mas sobretudo moral - O que acontecia se de facto ninguém envelhecesse? Os humanos adoram sonhar com coisas destas: viver para sempre, ter asas...Claro que tudo tem um lado negro. Imaginem sermos nós a controlar o tempo e não ele a nós. Não sei se conseguiríamos viver com tal anormalidade...Porque no fundo não fomos programados assim não é? E não é o nunca envelhecer o desejo eterno de todas as mulheres - como é que uma mulher lidaria efectivamente com a não mudança? Nada, no entanto, é realmente aprofundado nem o espectador é alguma vez questionado. Ou seja, o que podia ser uma boa estória descamba num drama á lá Nicholas Sparks que gira em torno dos mesmo clichés de sempre: eu gosto de uma pessoa, mas tenho um segredo e agora. Por exemplo há uma cena que Adeline diz que não adianta ter uma relação com alguém se ela não pode envelhecer ao lado dessa pessoa - achei interessante, mas não achei mais nada mais porque a cena é logo cortada...Especialmente na segunda parte deixa de haver a conexão com a História que se viu antes: ela não envelhece, mas o problema podia ser outro que não fazia diferença. Torna-se desnecessariamente aborrecido e previsível.

 

Depois há partes que são explicadas a correr não sei porquê e tudo culmina num fim igualmente preguiçoso onde nada parece bater com nada. A Blake Lively é linda, isso é algo que não pode ser negado - ela deve ficar deslumbrante até com um saco de serapilheira metido. Não achei que ela estivesse mal de resto, mas a verdade é que no geral não há ali ninguém que segure realmente na narrativa (não sei como é que o Harrison Ford veio cair nesta estória, mas registo isso como um ponto positivo)...Tudo muito meh. Em termos estéticos é bastante apelativo com vistas de São Francisco e o guarda roupa é maravilhoso sem falar naqueles penteados. Também registo como ponto de positivo esta atenção aos detalhes...De facto é um filme muito bonito com toques de classe adoráveis e uma ou outra parte bem conseguida especialmente no início, mas é pena que não vá além de uma estoriazinha pois tinha potencial para mais.

 

Quem Escreve Aqui

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Avisos

As opiniões sobre livros e afins podem conter spoilers. Comentários agressivos ou insultuosos não serão aprovados. Este blog não adopta o novo acordo ortográfico

Calendário

Maio 2015

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31

Sumo que já se bebeu

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D

Algo especial a dizer?

subscrever feeds