Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Desabafos Agridoces

"Enfim, bonito e estranho, desconfio que bonito porque estranho"

Desabafos Agridoces

"Enfim, bonito e estranho, desconfio que bonito porque estranho"

As Viagens de Gulliver

 

As Viagens de Gulliver de Jonathan Swift

Edição/reimpressão: 2010

Páginas: 288
Editor: Relógio D` Água
Preço:13,50€
 

Este é mais um caso de uma obra que foi erroneamente interpretada. As inúmeras adaptações para cinema e para televisão criaram a ideia de que se trata de uma história de aventuras ou até infantil. Na verdade, As Viagens de Gulliver são uma notável sátira dos vícios humanos. A narrativa é contada por Lemuel Gulliver um azarado cidadão inglês que em todas as suas viagens vai parar a ilhas bizarras. A primeira ilha é Liliput. As pessoas aqui são minúsculas e passam a vida em guerra com a ilha vizinha chamada Blefuscu.

 

O motivo é que Liliputianos acham que deve partir os ovos pela extremidade pontiaguda e os outros não. Além de um tanto irritantes, os liliputianos tem leis  que só funcionam na teoria e utilizam um método bastante dúbio para escolher os ministros: era esticada uma corda e quem saltasse mais alto sem cair ganhava o cargo. Por oposição a Lilipute, Brobingnag é uma ilha onde as pessoas são sensatas. E onde são também gigantes...não só as pessoas mas tudo desde as árvores até às ratazanas que têm o tamanho de galgos. Depois de ser apanhado por camponeses Gulliver passa a residir na corte onde tenta explicar ao rei o funcionamento das instituições inglesas. Mas não tem muito sucesso - "Descubro vagamente esboçada entre vós uma instituição, que originalmente podia ter sido tolerável, mas que a corrupção conspurcou (...)". Swift satiriza assim a sociedade inglesa expondo a corrupção das instituições e a sede de poder dos ministros. Os minúsculos liliputianos isso representam.

 

As ilhas do terceiro e quarto capítulo são menos conhecidas, mas igualmente interessantes. A Lapúcia, por exemplo, é uma ilha que tem a particularidade de voar. Os habitantes passam o tempo todo mergulhados em pensamentos a tal ponto que se esquecem do mundo exterior. Também não sentem curiosidade por nada a não ser Matemática e Música. O rei desta ilha exerce o seu domínio sobre Balnibarbi. Aqui as pessoas vivem mal, porque os sábios só pensam em questões inúteis  e não em resolver os problemas da população. A descrição da sua academia é impagável: ali encontramos cientistas preocupados em encontrar uma forma de começar a construir casas pelo telhado ou tentado encontrar formas de persuadir o monarca a escolher os seus favoritos tendo em conta a virtude e sabedoria destes entre "outras quimeras impossíveis". Gulliver visita ainda uma ilha (Glubbdubribb) onde os habitantes são feiticeiros e podem chamar à vida qualquer pessoa ilustre e outra (Luggnagg) onde as pessoas envelhecem mas não morrem. Ambas as visitas desapontam-no.

 

Na última parte Gulliver empreende uma viagem ao país dos Houyhnms. Estes são uma raça de cavalos que representam todas as virtudes que os homens deviam ter: não conhecem o conceito de mentir, nem o conceito de guerra ou o que é a ambição. Neste país vivem  também os Yahoos que representam todos os vícios que os homens têm. O autor sempre caustico é implacável aqui. Os yahoos são descritos como criaturas violentas, sem educação alguma, extremamente vorazes e ambiciosos além de sujos. Matam-se por "pedras brilhantes", e querem sempre ficar com o maior bocado para si. Isto é incompreensível para os Houyhnms que vivem em harmonia. Quando Gulliver vê as semelhanças entre si e as "bestas" fica desgostoso a tal ponto que quando regressa passa a viver isolado dos demais. O colonialismo é igualmente criticado o que é notável em pleno século XVIII (a obra foi escrita em 1726) Como o autor não se poupa nos pormenores algumas descrições são um pouco longas, de resto é uma obra  dura, muitíssimo actual  - “E a grande maioria dos nossos vivia miseravelmente, trabalhando de sol a sol e ganhando um mínimo, para uns tantos privilegiados viveram abastados” - e pertinente.

 

Quem Escreve Aqui

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Avisos

As opiniões sobre livros e afins podem conter spoilers. Comentários agressivos ou insultuosos não serão aprovados. Este blog não adopta o novo acordo ortográfico

Calendário

Março 2011

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728293031

Sumo que já se bebeu

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D

Algo especial a dizer?

subscrever feeds