Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Desabafos Agridoces

"Enfim, bonito e estranho, desconfio que bonito porque estranho"

Desabafos Agridoces

"Enfim, bonito e estranho, desconfio que bonito porque estranho"

Alice no País das Maravilhas

 

Alice no País das Maravilhas de Lewis Carroll

Edição/reimpressão: 2009
Páginas: 144
Editor:Leya
Preço: 5,95€
 

Toda a gente conhece Alice: o coelho, o chapeleiro, a rainha que manda cortar a cabeça a todos....Toda a gente já viu alguma adaptação cinematográfica de Alice ou então, como eu, viu os desenhos animados. A parte que eu mais gostava era quando Alice bebia um liquido e fica minúscula, mas depois descobria que tinha deixado a chave da portinha em cima da mesa...Ora, com tantas adaptações o sentido da obra perdeu-se e acabou por se generalizar a ideia de que Alice era uma obra infantil. Mas não é. A primeira vez que peguei no livro, desisti a meio. A história é tão non-sense que chega a ser perturbadora. Uma corrida onde cada um vai na direcção que quer e onde Alice recebe de prémio um dedal que era seu, bebés que se transformam em porcos, merendas intermináveis...Efectivamente, uma consequência da infantilização da obra é que se deixa de ler nas entrelinhas. Para gostar de Alice é preciso tentar ver o que está para lá do non-sense. 

 

Carroll escreveu uma história por trás da história principal, que continua a ser objecto de teses académicas. Há quem veja em Alice uma crítica à sociedade vitoriana e também quem ache que o facto da rapariga crescer e diminuir de tamanho representa a adolescência. Interpretações à parte vale a pena mergulhar a sério porque o cruzamento das duas histórias resulta numa obra incrivelmente rica.

 

Alice existiu de facto. A 4 de 1862, durante um passeio de barco pelo rio Tamisa, Charles Lutwidge Dodson [era o nome verdadeiro de Carroll], contou uma história de improviso para entreter as três irmãs Liddell (Lorina Charlotte, Edith Mary e Alice Liddell). Eram filhas de Henry George Liddell, o vice-chanceler da Universidade de Oxford. Com o objectivo de presentear Alice Liddell, Carroll passou a história para papel (Alice's Adventures Under Ground) e mais tarde acrescentou-lhe algumas cenas, dando origem ao livro que conhecemos hoje. Numa leitura mais atenta salta à vista que o livro está recheado de charadas e trocadilhos. A parte do chapeleiro e da lebre é uma delícia

 

"- Em que é que um corvo se parece com uma escrivaninha?
- vou adivinhar esta de certeza - disse em voz alta
- queres dizer: pensas que vais achar a resposta a esta pergunta? perguntou a lebre de Março.
- isso mesmo! respondeu Alice
- então deves dizer o que queres dizer! continuou a lebre de Março
- Eu digo o que quero dizer (...) pelo menos quero dizer o que digo (...) é a mesma coisa
- não é nada a mesma coisa !"

ou - " Alice olhou pensativa para o cogumelo, tentando adivinhar quais eram os dois lados: como era redondo parecia um problema difícil de resolver"

 

De referir que Carroll era matemático, e assim muitas das charadas envolvem números ou conceitos desta área. outros trocadilhos são fonéticos. Infelizmente estes perdem-se com as traduções. Alice é uma obra altamente subversiva para os padrões da época: tudo surge trocado desde o jogo de Cricket, às canções infantis até ao julgamento - "Parvoíce e estupidez! disse Alice em voz alta - essa ideia de a sentença vir primeiro. - Cala-te! - Não e não! respondeu Alice". Nenhuma criança da época vitoriana responderia deste modo....Parece-me haver assim uma clara intenção de criticar a extrema rigidez dos costumes. Este é um livro cheio de subtilezas. Perturbador e divertido. A continuação das aventuras de Alice chama-se Alice do outro lado do espelho (Through the Looking Glass and What Alice Found There)

 

Quem Escreve Aqui

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Avisos

As opiniões sobre livros e afins podem conter spoilers. Comentários agressivos ou insultuosos não serão aprovados. Este blog não adopta o novo acordo ortográfico

Calendário

Fevereiro 2011

D S T Q Q S S
12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
2728

Sumo que já se bebeu

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D

Algo especial a dizer?

subscrever feeds