Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Desabafos Agridoces

"Not all girls are made of sugar and spice...Some are made of sarcasm and nothing is fine"

Desabafos Agridoces

"Not all girls are made of sugar and spice...Some are made of sarcasm and nothing is fine"

O verdadeiro problema

Eu sei: muita gente não gosta nada desta modernice de coisas só para mulheres. Nem de quotas em filmes ou em empresas. E fatigam-se muito a escrever sobre o assunto. Ironicamente parece que se fatigam menos a escrever sobre: a) o constante assédio a mulheres em lugares públicos e afins b) discriminação racial c) desigualdade no acesso aos cargos. É que são estes problemas que estão na origem dos anteriores. Se eles não existissem, ninguém ia precisar de falar em festivais de música só para mulheres ou em quotas do que quer que seja. É a lógica da batata não? Não preciso de garantir representatividade por meios legais porque sei que ela naturalmente existe. Só que não [temos de admitir que "as pessoas devem ser escolhidas pelo seu talento ou capacidade" é uma coisa engraçada quando se analisa do ponto de vista histórico]. É por isso que os debates em torno do tema são realmente fatigantes: porque se atiram argumentos ignorando o elefante no meio da sala. É como debater o preço dos livros: podem passar o dia a falar disso, mas não é o preço que faz com que as pessoas não leiam... É um problema muito mais complexo.

 

Do mesmo modo pode-se concordar ou discordar, mas a realidade é que as quotas não são o elefante no meio da sala - o verdadeiro problema é o enorme fosso de desigualdade entre uns grupos e outros criado por séculos e séculos de repressão. Qualquer discussão que ignore isto não vai a lado nenhum porque aqui está a base de tudo. Claro que tem muito mais graça discutir a última polémica, o que não sei quem disse...E algumas pessoas insistem em negar a existência deste fosso, pois claro. Mesmo estando ele bem à vista de todos. As prioridades de algumas pessoas em termos de discussão e a própria altura que escolhem, já diz muito sobre o que elas realmente pensam sobre igualdade.

A igualdade não é uma tarte

Em A Vida Secreta das Abelhas Lily que é a personagem principal engraça romanticamente com outra personagem e ele também engraça com ela. Mas como eles são de cores diferentes a coisa torna-se complicada. Ela pensa: puxa, na escola disseram-nos que os negros eram todos feios e burros mas este não é nem uma coisa nem outra e agora o que faço? Enquanto ele pensa: se chegar perto desta rapariga vou acabar morto. Fez-me lembrar daquela situação em que está um grupo de cavalheiros na rua - se eu fosse também um senhor preocupava-me com a possibilidade de me assaltarem. Como não sou tenho de esperar não ser assaltada\não ouvir coisas nojentas\não ser perseguida\não ser violada. Isto acontece desde que temos quê? Uns 11 ou 12 anos? Quanto menos privilegiados somos maior cuidado temos que ter se queremos continuar vivos. Claro que por crescermos e vivermos numa sociedade injusta podemos ser levados a pensar que isto é normal ou que é a maneira correcta de pensar e que temos de defender os nossos privilégios: não quero estas pessoas perto de mim", "não quero ver filmes com elas", "não quero que tenham os mesmos direitos que eu" - e tenho o direito de dizer e fazer tudo o que me apetecer para combater estas ameaças. Algumas pessoas vêem esta questão dos direitos como uma tarte: se estas pessoas pegarem uma fatia eu vou ficar com menos. 

  

Sairmos da nossa própria bolha de privilégio, qualquer que ela seja, não é fácil. Há uns tempos falei aqui da iniciativa de uma livraria americana: durante uma semana todos os livros de homens estiveram virados ao contrário de modo que não se visse a lombada. Nos comentários da notícia havia gente zangada. Pessoal que preferiu sentir-se ameaçado em vez de pensar como é sentir que nunca ou quase nunca se é representado ou como deve ser frustrante sentir que nada daquilo do que se diz é levado a sério. "Não percebo porque é que esta gente faz motins contra a polícia" ou "esta gente não devia estar contente por viver num campo de refugiados? Não caiem bombas ali, ah!" - comentários clássicos. Recentemente encontrei este: "não percebo porque há-de ser mais difícil para as mulheres do que para nós viver sem instalações sanitárias!", alguém que ficou indignado ao ver um vídeo sobre mulheres que vivem em zonas remotas da Índia. Comentários destes mostram quão longe se consegue estar de compreender a realidade de um semelhante.

Carlota ainda dentro da máquina

Nunca vou perceber a insistência em colocar alunos a fazer exames, por mais tempo que passe. Com excepção dos exames para admissão a uma instituição (também não sou fã, mas tem de ser), todos os outros são uma inutilidade. Mas quem, com toda a franqueza, acha boa ideia sujeitar crianças da primária a semelhante coisa? Outras inutilidades: chumbos, horas extras disto e daquilo, ter os miúdos fechados todos os dias numa sala a passar coisas de um quadro. Uma vez quando eu andava no básico plantámos flores - é verdade: tivemos de desenhar e fazer uma cerca e depois mexer na terra para colocar as flores. Mexer em terra negra e com minhocas não soou muito apelativo no momento, mas pelo menos estávamos fora da sala. Pobre Carlota, se desvia os olhos para a janela atrasa-se a passar a matéria. Ainda bem que ela em breve terá a sua capacidade imaginativa reduzida ao mínimo. Também temos a tradição secular de ensinar as coisas no vácuo, e daí que 90% do que se ensina pareça não ter real importância. Comecei a pensar que um sistema destes não era muito bom quando tinha uns sete anos e queriam que pegasse na caneta com os dois dedos como toda a gente - ninguém me explicou porque é que toda a gente tinha de fazer assim.

E pensavas tu que eras do contra...

Já me chamaram aqui politicamente correcta umas poucas de vezes. É sempre muito engraçado. Uma vez foi porque escrevi sobre uma modelo com trissomia 21 - no dia seguinte lá estava alguém com este blá blá. E eu tipo: mas meu senhor, eu só quero que todos sejam felizes! Eu estava contente por ter encontrado essa história e por falar dela num post. Às vezes dá-me vontade de escrever sobre isto do que é correcto ou incorrecto - mas entre abrir o pc (salvo seja: ainda continua com a dobradiça partida e não fecha) e entrar no blog desisto. É absurdo e eu não podia estar-me mais nas tintas. Com tantos conflitos armados neste momento no mundo, poluição, aumento do número de ditadores alguém que se dá ao trabalho de ir chatear outra pessoa porque esta disse que ambos os géneros barra pessoas de todas as cores barra pessoas consideradas com deficiência merecem o mesmo respeito...Give me a break. Se vocês falam de igualdade e alguém se irrita o problema é dela, não é vosso. Na verdade, irritar certos tipos de pessoas com esse assunto faz parte da diversão. E é muito necessário. 

Gente, vai ficar tudo bem...

Isto é o que eu acho: a democracia está a morrer. Pelo andar da carruagem a médio-prazo terá dado o último suspiro. Será substituída por regimes fascistas de extrema agressividade onde quem não faça parte do grupo privilegiado será despojado de direitos, considerado uma ameaça e neutralizado de alguma forma. Não será um regime ditatorial como já se viu antes porque as pessoas não precisam de ser incitadas ao ódio: já estão tão cheias que elas aceitarão um totalitarismo com a maior gratidão. Não haverão desculpas: "não sabíamos de nada só queríamos comida e trabalho". Já sabemos tudo e aceitamos: vamos enterrar a democracia por nossa mais feliz vontade. Isto será potenciado pela desinformação e pela histeria colectiva. Daremos o dinheiro que for preciso para termos muros e bombas. O medo será constante, todos os dias. A vida privada também irá morrer, visto que temos de estar seguros. Esta ideia já encontra plena aceitação actualmente. Creio que a maior parte dos valores anti-democráticos já foram aceites e integrados. Este é o futuro das crianças, com o diferença que elas não saberão como era o mundo antes. Nazismo (se vocês têm medo do actual presidente, então o Vice vai fazer-vos rezar para que Hitler ressuscite e seja chamado Madre Teresa) e cenas distópicas de livros serão meras brincadeiras por comparação. Para terminar aqui fica uma foto de pandas bebés:

 

Quem Escreve...

foto do autor

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Avisos

As opiniões sobre livros e afins podem conter spoilers. Comentários agressivos ou insultuosos não serão aprovados. Este blog não adopta o novo acordo ortográfico

Calendário

Outubro 2017

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031

Sumo que já se bebeu

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D

A dona lê

Tem Reclamações a Fazer?

Já visitaram o estaminé