Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Desabafos Agridoces

"Not all girls are made of sugar and spice...Some are made of sarcasm and nothing is fine"

Desabafos Agridoces

"Not all girls are made of sugar and spice...Some are made of sarcasm and nothing is fine"

Uma História da Leitura

  

 

Uma História da Leitura, de Alberto Manguel 

Edição/reimpressão: 1998 

Páginas: 368

Editor: Presença

Preço: 22,45 € 

 

Será possível, em pouco mais de 300 páginas, escrever sobre algo tão antigo e complexo como a leitura? Este livro, que nos leva numa viagem pelos principais marcos da história da leitura, mostra que sim...Uma História da Leitura está dividida em dois capítulos. O primeiro capítulo, “Actos de Leitura”, está dividido em dez subcapítulos, com temas diversos, relacionados com a leitura. No primeiro (“Leitura de Sombras”) ficamos a conhecer os processos cerebrais que estão envolvidos no acto de ler. “Aprendizagem da Leitura” mostra como eram as escolas do século XV e XVI e os métodos de ensino utilizados. Há um subcapítulo (“O formato do livro”) dedicado à invenção da imprensa no século XV e aos vários formatos que os livros foram tendo consoante as épocas, desde in-fólios gigantes até um livro holandês de 1673 que mede 8 por 12 milímetros, isto é, menos que um selo dos correios.

 

O segundo capitulo, “Poderes do Leitor”, está, como o anterior, dividido em dez subcapítulos. O primeiro (“Primórdios”) é sobre a invenção da escrita, que ocorreu na Mesopotâmia, no quarto milénio a.C. O subcapítulo “Ordenadores do Universo” diz respeito à organização das bibliotecas, como a de Alexandria, a cargo de Calímaco, que inventou a catalogação livros por ordem alfabética. Infelizmente, como arma poderosa que é, o livro sempre foi alvo dos governos ditatoriais como podemos ver no subcapítulo “Leitura Proibida” (alguns actos de censura são insólitos como processar as escolas do condado de Hawkins, no Tennessee, com o argumentando que os livros infantis violam certas crenças religiosas…).

 

Quem abre este livro e se depara com as inúmeras datas e acontecimentos históricos, talvez se sinta tentado a desistir. Contudo, passado este choque inicial, deparamo-nos com uma escrita rigorosa, mas surpreendentemente fluida. Além de relatar um pouco da sua experiência no início do livro, o autor fá-lo ao longo dos subcapítulos, normalmente como ponto de partida. Acabamos por também começar a pensar ou a repensar, conforme o caso, a nossa relação com os livros. Sentimo-nos familiarizados com as pessoas citadas, apesar de estas terem vivido à séculos atrás (atente-se nas fotos que abrem o livro, cuja legenda é sugestivamente “uma confraria de leitores”). Talvez este seja o maior mérito do livro: permitir que nos envolvamos na narração, em vez de simplesmente expor os factos. Como o próprio autor afirma, sem presunção, esta pode ser uma entre muitas histórias da leitura, “talvez seja (…) a história de cada um dos seus leitores” (pág.35).

 

Uma história da leitura é também o retrato de épocas e mentalidades e, como tal, possibilita ver a evolução da sociedade nos hábitos e relações sociais (não existirão ainda os estereótipos quanto aquilo que homens e mulheres devem ler, ainda que disfarçadamente?). No final do livro existe uma lista das fontes utilizadas e um índice remissivo (“Páginas de Guarda”). A qualidade do trabalho espelha-se ainda nas fotografias, que foram usadas ao longo dos subcapítulos e que ilustram o texto e facilitam a sua compreensão. Uma História da Leitura é assim um livro que apesar de falar de História, ser coerente e bem organizado, não deixa de ser cativante e até subtilmente divertido. E no entanto, esta é uma história que não está acabada, que se construi um pouco todos os dias quando abrimos um livro e cumprimos o milenar acto de nos deixarmos envolver pelas palavras.

 

Quem Escreve...

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Avisos

As opiniões sobre livros e afins podem conter spoilers. Comentários agressivos ou insultuosos não serão aprovados. Este blog não adopta o novo acordo ortográfico

Calendário

Agosto 2010

D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031

Sumo que já se bebeu

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D

A dona lê

Tem Reclamações a Fazer?

Já visitaram o estaminé