Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Desabafos Agridoces

"Not all girls are made of sugar and spice...Some are made of sarcasm and nothing is fine"

Desabafos Agridoces

"Not all girls are made of sugar and spice...Some are made of sarcasm and nothing is fine"

Filme: Hidden Figures

 

A história real de Katherine Johnson (Taraji P. Henson), Dorothy Vaughn (Octavia Spencer) e Mary Jackson (Janelle Monae) três mulheres afro americanas que trabalhavam na NASA e que estiveram por trás da operação Mercúrio que em 1962 colocou o primeiro americano a orbitar a terra e que lançou de novo os Estados Unidos na corrida espacial. Estava à espera disto desde Dezembro, quando tropecei por acaso no trailer, e é escusado dizer que quando me sentei na sala já ia predisposta para amar. A história é incrível: estamos a falar de mulheres negras que conseguiram provar o seu valor numa sociedade fortemente segregada e misógina. Estes temas são explorados ao longo do filme que além de acompanhar o percurso das três cientistas dentro da NASA consegue também de forma satisfatória fornecer contexto político (toda a gente estava um pouco paranóica nessa altura...) e social.

 

As primeiras cenas dão-nos logo um vislumbre do que era vida de um negro na América racista: não era apenas a chocante violência física, mas a violência psicológica exercida todos os dias nas mais simples e corriqueiras situações. Há algo de muito errado em ficar-se com um carro avariado na berma e ao ver-se um polícia a chegar a primeira coisa que se pensa é que não estamos a cometer nenhum crime logo ele não pode nada contra nós. Felizmente que hoje em dia por lá toda a gente pode confiar na polícia...A história em si é forte, mas seria injusto não mencionar que este filme tem um super elenco. A começar pelas três figuras centrais interpretadas por actrizes talentosas e carismáticas. Em certos momentos o espectador vai ficar com vontade de saltar para dentro do ecrã e celebrar com elas as suas vitórias. Apesar de tudo, dos momentos em que se fica com o coração meio apertado, sai-se da sala com a sensação de celebração. Do esforço e da perseverança contra os piores sentimentos da humanidade. As três interagem perfeitamente entre si e também com as personagens secundárias que incluem um Jim Parsons muito sério e um Kevin Costner que vai derreter o vosso coração. Tudo óptimo a nível de interpretação. Além do contexto político e social também nos é dado a observar um pouco da vida pessoal das protagonistas o que ajuda a equilibrar o filme e a dar profundidade.

 

 

Tecnicamente também é um filme satisfatório: desde o guarda-roupa mimoso, passando pela banda sonora - de Hans Zimmer e Pharrell Williams. Há tantos momentos que podia mencionar ao longo daqueles 120 minutos, tantos detalhes bem pensados, uns particularmente simbólicos e que dão que pensar...Vale a pena estar com atenção. Sem grandes pontos negativos a apontar: haverá filmes mais experimentais e com mais pantominas artísticas, mas não foi isso que fui à procura - queria a história de três mulheres cientistas e tive-a. O que nos leva ao ponto seguinte: Quantos filmes existem sobre mulheres cientistas...Ou outras? Provoca uma certa frustração pensar nisso: fazem filmes sobre personagens masculinas quase a granel, mas tenho de esperar pela passagem do cometa Halley para ver um sobre uma mulher. Será por falta de personagens? Se calhar não sabemos fazer contas. Outra coisa que notei e que não é retratada em filmes suficientes: o reconhecimento das capacidades de uma mulher não é uma ameaça para os egos masculinos - beneficia todos. Eu estava a olhar e a pensar: puxa, mas é isto mesmo - ser um suporte para filhas, colegas e esposas.

 

E claro que é fundamental também celebrar\divulgar as conquistas feitas por mulheres negras. Não se pode de maneira nenhuma deixar que essas conquistas sejam esquecidas, especialmente hoje onde todos os que não sejam homens brancos estão a ver os seus direitos ameaçados. Todas as pessoas que não pertencem a essa categoria existem e existiram na História, não são factos alternativos. Mais um motivo porque este filme é importante e mais uma razão para ir vê-lo.

Quem Escreve...

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Avisos

As opiniões sobre livros e afins podem conter spoilers. Comentários agressivos ou insultuosos não serão aprovados. Este blog não adopta o novo acordo ortográfico

Calendário

Fevereiro 2017

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728

Sumo que já se bebeu

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D

A dona lê

Tem Reclamações a Fazer?

Já visitaram o estaminé

subscrever feeds